Seguidores

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Poema Mundo das Ideias






O MUNDO DAS IDEIAS


As ideias não são minhas
São do tempo
De onde fluem

O receptor delas
Não fica no calcanhar
Nem no joelho
Nem no cotovelo

Fica nalgum lugar
Dentro do cérebro

Às vezes penso
Que sou eu quem pensa
As minhas ideias
Mas não

Apenas rodo a roda
E mudo de estação

Fico quieto
Escutando os sons que passam
Na minha mente
Tentando peneirar o que serve

Quem sabe cerco
alguma pepita preciosa?

Não precisa ser grande
Mas valiosa como diamante

Também não precisa tanto
Servem mesmo as semi-preciosas

Se bobear as bijuterias

Contanto que enfeitem meus sonhos

Quem sabe capto um som
Sem arranhão
Para embalar meu sono

As ideias não são minhas
Elas posam pra quem tem sorte

Mesmo assim sou pescador paciente
Pescador de ilusão
Que acredita na magia da vida
Pois cada dia é um milagre

Mas o tesouro não é a ideia peneirada
É a paciência que peneira a peneira
Como as mãos felizes
Que tecem qualquer fio

Olha como cantam os pássaros
Tecendo seus ninhos
Com fios quaisquer da natureza

Para eles são melhores
Os ramos secos e descartados

Quem sabe os mendigos também
São os preferidos de Deus?

Deixa-me acordar dos meus sonhos!

Raios e trovões são pesadelos
Que rasgam as redes do sono

Quero mesmo é um barquinho
E navegar em águas serenas

Deixe para os navios de grande calado
Navegarem em águas profundas
Pois tenho medo delas

Pode ser um problema sério ser rico
Se a viagem for de Titanic

Pensando bem
Talvez seja melhor
não pescar ideia alguma

Melhor viver como pedra
Em algum lugar
Não importa onde

Desde que não seja
Pedra de diamante
Para não despertar a cobiça

Nem pedra comum
Para não virar pó de cimento

Pensando bem
Talvez seja melhor não ser pedra

Nem fiapo para não acabar
No bico do passarinho

Nem mendigo
Para não depender do bolsa família
Isso pode despertar muita ira

Sendo rico é preciso cuidado
Para não afundar em águas turbulentas

-Ora!
Aquieta-te mente!
Seja vivente como qualquer vivente!
Pegue as penas e escreva teus sonhos!
Deixa de frescura e não escolha sonho!
Desenhe o gato mas também o rato!
A pulga e a abelha!
A traça e o fio de ouro!
Não duvide mais se há céu ou se há inferno!
Não vês que estão todos aqui?

-Uia!
Que sabão levei!
De quem não sei

Acho que foi duma ideia
Que passou voando por aqui
Ou estava quietinha
Calada
Escutando meus pensamentos

Acho que não gostou dos lamentos

Já não sei mais se é bom
Peneirar alguma ideia
Ou deixá-las passar

Opa!
É melhor ficar calado

A ideia pode me ouvir
E não trazer mais
Nenhuma pepita

Nem de ouro

Nem de pedra

E isso não é viver.



EVALDO














Poema Tudo ama













TUDO AMA

Não era tarde
para dizer que amava as flores
O amor não fica velho
Aprendi com as rugas
que o segredo é tolo
Apenas esconde a luz
que pode acariciar as pétalas...
Iluminar as pedras do caminho
libertar da escuridão
as formas e as cores
O amor ama tudo
não só face de gente
Entrelaça com tudo
porque tudo reluz
Tudo ama
e tudo tem face
É partícula solta na natureza
Habita qualquer ser
porque todo ser tem alma
O amor é o espírito
protetor das águas
das rochas
das florestas
De todas as faces
minerais
vegetais
animais
As águas cessam as sedes
As rochas cercam as águas
As florestas chamam as chuvas
E os olhos
...estes..
se embriagam
com os belos segredos da vida


Evaldo

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Poema Solidão















O QUE É A SOLIDÃO?
O que gera a tristeza
é o fugir da conformidade
em que somos submetidos
desde o nascimento.
Já nascemos moldados
empacotados em sistemas
A ruptura com a conformidade
gera a solidão
porque somos grupais
Pensar diferente faz romper sistemas
faz criar a própria aura
e isso nos torna independentes
porém não raro marginalizados
da convivência social
Ou você é capitalista
ou comunista
segue religião a ou b
O mundo não oferece outra opção
Da mesma forma ser diferente
em qualquer situação
é estar desconforme
é estar na solidão
Apresso- me então
a agregar-me
porque solidão dói

Evaldo