Seguidores

quarta-feira, 9 de março de 2016

Lembranças da minha infância - os gravetos








FOTO acervo de Evaldo


                                               
                                Os gravetos


Os gravetos iniciavam o dia
Ainda cedo o fogão à lenha ajudava a clarear a casa com suas brasas cintilantes.
O café moído na hora aguardava no coador de pano a chaleira soltar a fumaça da água que fervia na trempe de ferro fundido.
O fogo era mantido aceso com os gravetos que minha tia levava pausadamente à boca do fogão.
Vez por outra eu chegava perto para dar uma soprada, sob a supervisão dos mais velhos. Assim evitava queimaduras à vista de algum descuido próprio de criança.
No fundo do fogão, na última boca da trempe, onde o fogo corria mais brando, cochilava a panela de broa de fubá de milho, assada na véspera. De vez em quando a tampa da panela se abria para ceder mais uma fatia da broa tão aguardada por nossas bocas.
A fumaça tênue da chaminé, no lado de fora da casa, e no bico do bule de café, eram os avisos de que não faltava mais nada para iniciar a lida diária.

Evaldo







terça-feira, 8 de março de 2016

Lembranças da minha infância - o vento e a manga.










                                    O vento

Perto da casa havia dois pés de mangas.
Mangas pequenas e deliciosas, aquelas da minha terra natal.
Quando os galhos ficavam carregados e pesados, quem os socorriam era o vento.
À medida em que iam amadurecendo as mangas...
...vinha o vento!
Lá de dentro da casa ouvia os estralos dos galhos quando as mangas despencavam em direção ao chão.
Natureza solidária.
O vento sopra o quanto é preciso.
Ele fazia descansar os galhos que estavam sempre carregados, aliviando seus pesos a fim de suportarem novas mangas até amadurecerem novamente.
Não faltava quem ajudasse a limpar o chão.
Passavam por lá os porquinhos, os patos, os cabritos...
Todos ouviam de longe o aviso do vento... estava na hora de aproveitar aqueles doces deliciosos, balançados e derramados, em oferta generosa das saudosas mangueiras.

Evaldo